30 de mai de 2018

Meu estilo é SER

Foto / Jota Bahia

Sempre que eu pensava na palavra estilo, me vinha na cabeça alguém vestido com alguma daquelas roupas que eu considerava bacana e que eu via geralmente estampadas em capas de revista, jeans legais, vestidos de modelos diferentes, t-shirts com frases e símbolos que representam coisas legais desses e de outros tempos, botas e acessórios que combinavam e davam toda uma harmonização ao look. Eu sempre fui muito envolvida pela moda, apesar de nem sempre ter sido considerada alguém "estilosa" ou ter no armário milhões de coisas "da moda atual", e já tive inúmeras fases em se tratando do exterior, passei da fase rocker à fase hippie, da fase arrumadinha à fase básica, da fase floral e romântica, pra uma fase colorida e bagunçada, e enfim cheguei a minha atual conjuntura, que eu gosto de chamar de fase sem fase.

Foto / Jota Bahia

Pela primeira vez em toda a minha vida, eu não consigo caracterizar as roupas que eu estou vestindo, mas todas elas combinam entre si de forma tão graciosa e refletem tanto o que eu sou que chega até emocionar. Acho que enfim entendi o que é ter estilo, roupa não é pra passar ao mundo uma impressão: Vou vestir esse tubinho preto hoje com sapato alto por que eu quero parecer séria e bonita. Faz tanto tempo que eu deixei de querer "parecer" que eu acabei me tornando tudo o que eu mais queria, eu mesma, e percebi que pulamos de fase em fase por que temos medo de sermos exatamente isso, nós mesmos, pode parecer bobagem mas se assumir pro mundo trás consigo a insegurança de que aquilo que a gente é talvez possa não ser tão bom, quando na verdade é sim muito bom, por que é único.

Foto / Jota Bahia

Hoje em dia eu não tenho medo do mundo achar meu cabelo bagunçado feio, do cabelo branco que se sobressai bem em frente da cabeça, por que ele faz parte de mim, não tenho mais medo de apostar no meu preto e cinza básico, ou de que as roupas pareçam todas iguais, não tenho um pingo de medo de que as blusas pareçam desajustadas nos seios por que eu me recuso usar sutiã, de que as minhas sardas incomodem devido o pouco uso de maquiagem ou ainda de simplesmente me arrumar muito pra ir a casa de um amigo em um dia de semana qualquer. Com isso os defeitos do corpo passaram a não me incomodarem, e tudo o que eu sou passou a brilhar muito mais do que o externo, o meu estilo tem sido SER, em essência, e tá muito bom assim.

Foto / Jota Bahia

Beijo da Mana dos Pitacos

Um comentário:

  1. Mano esse pré-julgamento das pessoas é tão chato. Acabamos por viver uma vida baseada na opinião dos outros, em virtude da não aceitação do diferente. Parabéns pela postagem, penso que o caminho é isso mesmo. Até que algum dia, esses esteriótipos sejam quebrados de fato.

    https://elaaedemais.blogspot.com/

    ResponderExcluir