5 coisas que aprendi com o minimalismo

Foto / Jakob Owens

Conheci o minimalismo há algum tempo, acho que uns dois anos atrás, quando o clean entrou na moda e passou a se tornar muito mais comum vermos pessoas usando tons neutros, preto e branco... Lembro que achei tudo muito lindo, mas o que mais me agradava era a ideia de ter um estilo onde as peças todas combinavam entre si fazendo com que escolher a roupa se tornasse uma tarefa um pouco mais fácil. Com o tempo aprendi que a moda minimalista era o reflexo de algo maior, apenas uma das facetas de um estilo de vida maravilhoso pelo qual eu sou cada dia mais apaixonada.

Sempre procurei uma forma de encaixar o minimalismo na minha vida, e há 4 meses que esta tem sido uma tarefa muito prazerosa pra mim, doei muita coisa, tirei um tempo pra mim, afastei do meu cotidiano pessoas que me feriam de alguma forma e assumi o controle do volante de vez disso que eu chamo de "minha vida". Hoje eu acho que minha principal luta é contra os sentimentos (eles sempre me pegaram de jeito) e todos os dias eu tenho que reforçar o pacto que fiz comigo mesma de expulsar tudo o que é ruim e deixar só o que é necessário. Acredito que a minha mudança começou há muito tempo, afinal pra que algo funcione na vida da gente exige acima de tudo reflexão e planejamento, e eu já passei dessa fase, no hoje estou na fase de colocar tudo em prática! Vamos conferir algumas coisas que eu aprendi durante esses 4 meses? O minimalismo me ensinou que...

É possível sim viver com poucas coisas - Eu doei mais da metade das peças que eu tinha no guarda-roupa, hoje em dia quando eu abro pra escolher a roupa que eu vou usar me dá uma satisfação enorme por saber que tudo o que tem ali eu de fato uso e fica perfeito em mim, o que diminuiu drasticamente o tempo que eu gastava procurando o que usar e a bagunça que eu fazia. Doei também quase todos os sapatos, bolsas, acessórios que não combinavam com as roupas que eu deixei no armário e joguei fora coisinhas acumuladas que não tinham serventia nenhuma. E eu entendi de vez que não preciso de 5 blusas brancas, 7 saias pretas e 10 calças jeans pra ter um guarda-roupa variado, uma ou duas de cada coisa é suficiente e quando elas ficarem velhas aí sim será o tempo certo de adquirir coisas novas.

Não devo ceder aos impulsos - Quer um exemplo? Você não está com fome e está indo pra casa, aí você passa na frente da padaria, sente o cheiro de algo gostoso e compra pra comer mesmo não estando com fome, quem nunca? Você já parou pra pensar na quantidade de bobagem que a gente diminuiria na nossa alimentação se a gente simplesmente pensasse um pouco antes de comprar qualquer coisa pra comer na rua? Já parou pra pensar na quantidade de dinheiro que seria guardado pra coisas mais importantes se a gente simplesmente pensasse bastante antes de comprar o que quer que seja? Quando eu sinto vontade de comprar qualquer coisa eu sempre me pergunto se eu de fato preciso daquilo OU estou contribuindo com o estilo de vida impulsivo do século XXI e vocês não tem noção da quantidade de coisa que a gente deixa de fazer quando passamos a refletir sobre os nossos atos, até aqueles mais pequenininhos.

Estar sozinho sem nada pra fazer em um sábado a noite é uma dádiva - Vejo o tempo inteiro gente reclamando que queria sair, que está sozinho, que não tem nada legal pra fazer, e sim, eu em muitas ocasiões fui uma destas pessoas, hoje em dia eu tento me policiar pra evitar agir assim, penso em quantas pessoas precisam trabalhar durante o fim de semana e queriam em um sábado a noite simplesmente estar descansando em casa e não podem, então antes de eu reclamar de que estou sozinha, sem ninguém pra fazer nada legal, eu simplesmente penso em uma coisa legal e faço se eu achar que preciso, quando eu quero sair e não tem ninguém nas redondezas pra ir comigo eu simplesmente me visto e me maquio e vou no lugar que eu iria se estivesse acompanhada, as vezes a gente tem que aprender viver mais na dependência da gente, e entender que o que faz o nosso mundo girar somos nós mesmos. Com o tempo percebi que me sinto muito bem ao sair e comer algo sozinha, isso antes me assustava muito, hoje não mais.

Eu sou a principal validadora das minhas próprias ações - Eu luto com a insegurança há anos, e apesar de não ligar para o que muita gente diz de mim, sempre que eu ia fazer algo sempre me sentia na necessidade de perguntar pra minha família ou amigos se o que eu estava fazendo estava ou era bom o suficiente. Parei pra pensar e me coloquei no lugar dos outros e simplesmente deve ser horrível ter alguém na sua vida que age assim afinal não é todo mundo que tem paciência pra lidar com as inseguranças dos outros, eu tenho mas muita gente não. Então sempre que eu percebo que eu estou insegura, e estou indo pedir opinião pra alguém, eu simplesmente me pergunto se a opinião da pessoa em questão vai mudar algo significativo na minha vida, se não, eu simplesmente digo pra mim mesma que vai dar tudo certo e sigo em frente.

Minimalismo é muito mais do que se desfazer de coisas - É focar naquilo que de fato é importante! Já pensou no tempo das nossas vidas que a gente gasta com pessoas que nos magoam? Frequentando lugares simplesmente pra ter o que fazer, sem que de fato nos gere satisfação? Vestindo roupas que apesar de bonitas nos deixam desconfortáveis? Sinceramente? Ninguém precisa de nada disso! Não ter muitos amigos não é algo ruim! Não ter muitas roupas/sapatos/objetos não é algo ruim! Não estar fazendo milhões de coisas importantes a cada minuto do dia não é algo ruim! Isso se chama ter uma vida saudável e recheada de coisas importantes e essenciais, pense nisso!

Querem ver mais posts sobre MINIMALISMO aqui no blog? Qual é o estilo de vida de vocês? Espero muito que tenham gostado do post de hoje, e se vocês tiverem qualquer duvida sobre o assunto é só deixar nos comentários que estarei respondendo todos vocês! 

Beijos da Mana 

Pin It
0

Nenhum comentário:

Postar um comentário