Livro | Duny - Meu livro. Eu que escrevi.

              Por Raony Philips



Se você adorou a Duny em Girls in the House provavelmente vai adorar também a autobiografia dela, e sabe o que é o melhor de tudo? A todo o momento durante a leitura você consegue visualizar a personagem vivendo as cenas descritas e/ou contando elas pra você com aquela voz e humor inconfundíveis, é demais! O livro conta algumas histórias que a Duny vivenciou e que não estão na série, principalmente sobre os seus esforços pra ficar famosa (acreditem foram muitas tentativas mal sucedidas e cômicas), vocês vão amar e é claro, rir bastante.

- Ficha Técnica -
Título: Meu livro. Eu que escrevi.
Lançamento: 2017
Autor: Duny (mas criado por Raony Philips)
Editora: Intrínseca
Gênero: Autobiografia / Humor
Páginas: 168

Sinopse: Duny (lê-se Dani) é uma celebridade de alcance mundial, alçada ao estrelato por seu imenso talento, inteligência, classe e beleza incomparáveis. Ou, pelo menos, era isso o que ela esperava da vida - que, no caso de Duny, se resume basicamente a um loop infinito de lacres, barracos e baixarias cometidos em busca da fama. Meu livro. Eu que escrevi é o maior deles. Conhecida dos fãs principalmente por trabalhar e morar na Pensão da Tia Ruiva e ser uma das estrelas da websérie Girls in the House, Duny hoje comanda também o reality show investigativo Disk Duny e é comentarista on-line de premiações como o Oscar e o Grammy para uma grande rede de TV, mas ela já passou por muita coisa nessa vida: da humilhação pública de fazer agachamentos em trajes sumários num programa de auditório a fingir que suporta crianças só para ser babá da filha de uma artista famosíssima e ficar um tantinho mais perto dos maiores nomes da música pop. Se valeu a pena? Para Duny, ainda vamos saber. Mas, para quem lê essa autobiografia recheada do início ao fim com o melhor da ironia (ou grosseria) moderna e total ausência de preciosismo vernacular, vale cada página.


Eu não gosto de julgar um livro pela capa, mas eu simplesmente adoro encontrar livros que tenham uma boa diagramação, pra mim isso mostra o quanto o autor pensou no leitor, e proporcionar a ele que o momento de leitura seja um presente especial e o livro da Duny é um destes, com uma capa maneira, ilustrações legais em cada capítulo e as folhas não são finas (detalhe super importante pra mim). A principal característica da personagem é que ela diz o que não temos coragem de dizer, e o mais interessante (inclusive aplaudo de pé o criador por tamanha façanha) é a linguagem da mesma, que é "única", depois da Duny não vejo nenhum outro personagem sendo irônico e usando tantas referências sobre fofocas, memes e do cotidiano brasileiro tão bem, e é impressionante a quantidade de referências, são muitas, o que gera uma boa tirada atrás da outra.

As histórias são bem variadas, contam desde o dia em que ela teve que fingir uma gravidez quando estava sendo refém em um assalto no mercadinho da esquina ao dia em que quase virou a princesa do príncipe Kal Sada, um relacionamento que seria de fachada devido o príncipe ser gay. Apesar dela ser completamente narcisista, no final do livro [SPOILER] ela tem um momento incrível de humanidade, que faz com que o leitor se conecte mais ainda com ela. A Duny estava a ponto de comprar a vaga de uma pessoa pra poder participar de um concurso de calouros mas teve uma súbita tomada de consciência de que o momento dela de ficar famosa (o maior sonho dela) chegaria e ela deveria continuar tentando mas que não devia atrapalhar o momento do outro, então pela primeira vez ela fica de fato feliz por alguém conseguir algo.


- Alguns trechos do livro - 

Só que tem uma coisa que a morte tá proibida de fazer: me levar. Se eu morrer, vou processar o responsável. Tenho muita coisa pra realizar ainda nessa vida, e ia ser muito injusto se a morte viesse me levar. Ela deveria reconhecer todas as vezes que eu desvirei o chinelo pra dar mais um tempo de vida pra minha mãe.
O que vou dizer de mim? Que sou desocupada na empresa Vida? Pós-graduada na empresa Sono? Cansada na empresa Chega, Não aguento mais? Chateada na empresa Dia a Dia?
Acontece que eu não sou boa em exatas. Muito menos em humanas. Talvez seja um pouco em humanas... Mesmo que eu odeie humanos.
Não sei quando, não sei onde, mas eu nasci pra brilhar e quando a hora chegar eu vou estar lá. Mas que não seja agora por que eu preciso muito fazer xixi. 
A vida sempre segue. Só não me segue no Twitter! E, vida se você estiver vendo isso e olhar meu Twitter, desculpe por todas as vezes que eu falei mal de você lá. É por que você tem agido como uma vagabunda. Mas, sim, sempre vou preferir você à morte. 


Pra você que se interessou mas nunca assistiu a série, se você ler apenas o livro você vai gostar do mesmo jeito, o próprio Raony explicou em entrevista que "você pode ler o livro sem conhecer a série. Totalmente. Assim como você também pode conhecer muito da série através do livro. Elas são obras complementares, mas não dependem uma da outra". Duny - Meu livro. Eu que escrevi. é perfeito pra você que adora comédia, ou que precisa de uma leitura leve e curta. Você vai ler de forma tão ávida pra saber as histórias que no final vai desejar não ter ido com tanta sede ao pote, e sim, eu terminei a leitura com gostinho de quero mais. 

Queria agradecer a Bia por ter confiado em mim e me emprestado o livro ♥ Conhecem a série Girls in the House? Leriam o livro da Duny? Não esqueça de comentar, adoro saber a opinião de vocês!

Beijos da Mana 

Pin It
2

2 comentários:

  1. Aiiiiin eu tô louca pra ler! AAAAAMOOOOOO GITH e acho o Rao extremamente talentoso, mesmo matando a gente do coração com esses plot twists e atrasos HAHAH (continuo até hoje esperando o novo álbum da Duny HAHAHAHAH sim, eu sou graduada em ser Alice). Adorei que a diagramação é linda, e esses quotes? Duny falando da morte sou eu na vida HAHAHAHAH. E nem me surpreendo com esse momento de humanidade dela, ela é gente como a gente - grossa, porém fofa e se importa com que corre ao seu lado HAHAH.
    Beijos, mana!

    claramenteinsana.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ulha mana não sabia que tu gostava de GITH ♥ aaaaaaaaaaa mais alguém pra cantar as músicas da dunny comigo hahaha
      eu também acho ele muito talentoso AFINAL pra fazer tudo tão bem assim tem q ser né?
      espero muito que leia o livro e goste ♥

      Excluir