O dia "D"

O relato de alguém que pela primeira vez em anos pôde lavar o cabelo sem precisar usar o secador e chapinha depois


Foto / maykamelo1

A palavra que resume a minha decisão de cortar o cabelo é coragem. Na vida a gente precisar ser corajoso pra fazer muita coisa, inclusive pra mudar a nossa realidade quando ela não faz mais nenhum pingo de sentido pra gente e se dispor a viver novas coisas. No dia 01 de julho, o dia que eu marquei pra mudar mais uma coisa na minha vida, eu acordei com um nó na garganta e tive que ter muito autocontrole pra não chorar e ter um ataque, algo dentro de mim dizia que eu não seria capaz de levar adiante o plano de deixar as químicas pra trás, acho que quando a gente está prestes a fazer algo grande e que vai de fato mudar a nossa vida pra sempre é normal a gente sentir esse aperto no peito, essa coisa que só serve pra fazer a gente regredir e é nesse momento em que a gente deve silenciar os gritos da torcida do contra, mesmo que a torcida seja a gente mesmo, afinal as maiores batalhas são enfrentadas no nosso interior.

Lembro como se fosse hoje daquele dia há quase dois meses, quando eu me maquiei e saí de casa mais cedo que o meu horário normal de ir pra rádio com 10 reais no bolso que era o tanto que eu ia gastar no humilde salão da esquina, lembro que não avisei ninguém, isso só me deixaria mais insegura, depois lembro de mim sentando na cadeira do salão, lembro que respirei profundamente e me perguntei por diversas vezes enquanto o cabeleireiro passava a máquina se eu não estaria tomando uma atitude radical demais, lembro que no meio do processo senti vontade de chorar mas eu me segurei, e tive que ter muita força, por que todo mundo no salão estava um tanto quanto abismado com a minha atitude, e eu não queria que nenhum deles visse os buracos que haviam na minha armadura emocional, e eu lembro também que naquela mesma noite eu chorei, por mim, pela minha decisão e por que eu sabia que os meus dias não seriam os mesmos daquele dia em diante, afinal o mundo e a sua dose de crueldade não me deram nem 24 horas antes do primeiro tapa no rosto.

MAS, eu lembro de outras coisas também, e essas são as principais coisas que eu gosto de lembrar a respeito daquele dia, lembro do momento em que eu saí do salão, de perceber que eu deixei uma fase minha no passado, e que estava renascendo, me tornando uma nova pessoa que o mundo ainda ia conhecer, lembro dos primeiros olhares de estranheza/curiosidade que eu recebi na rua e de ter me sentido forte o suficiente pra olhar no olho de quem passasse ao redor e passar a mensagem de: vão se acostumando, por que essa sou eu daqui pra frente! Lembro de que no dia seguinte pela manhã, eu lavei meu cabelo (ou, lavei minha cabeça, como vocês melhor preferirem já que o cabelo estava raspado) e foi incrível a sensação de saber que depois eu não precisaria secar o cabelo e usar a chapinha pra ele parecer "perfeito", liso, arrumado, como todo cabelo "bonito" deve ser. E o melhor? Compreendi de uma vez por todas que eu nunca mais precisaria sofrer pra me sentir bonita, que eu havia me soltado de amarras que eu nem sabia que me prendiam e que enfim me sentia livre pra ser aquilo que eu quisesse, inclusive ser eu mesma sem nenhum enfeite!

Beijos da Mana

Pin It
2

2 comentários:

  1. Oi!!
    Confesso que quando vi vc com novo visual, fiquei surpresa.
    Parabéns pela coragem. Amo cabelo natural 😍
    E como sofro com comentários, tipo: pq vc não faz selagem, vai diminuir o volume.. e respondo sempre, amo o volume do meu cabelo (bem cheio) rsrs bjs no coração 😘😘 Estais linda!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha justamente alessandra, não temos que fazer nada que a gente não quer ♥ E agradeço de coração sua visita aqui no blog... volte sempre!!! Beijos

      Excluir