Sobre os rumos que a vida toma


Se teve uma parada que eu nunca entendi foram os rumos que a vida toma, sério, já pararam pra pensar nas voltas e reviravoltas que ela dá? Onde tudo de uma hora pra outra muda e a gente cresce, aprende e por vezes tomamos caminhos que nunca em hipótese alguma cogitamos trilhar? Uma das maiores lições que eu trago comigo é que não devemos questionar quando os ventos de mudança começam soprar, tento ao máximo não me desesperar quando as coisas começam a ficar bagunçadas por que sei que algo incrível vai acontecer depois... Sempre digo que a vida é uma grande comediante, ela brinca com a nossa cara a todo o momento, ou vocês não perceberam? Eu já passei por duas crises existenciais horríveis, sempre quis entender o meu propósito no mundo e por que todos os meus sonhos sempre me pareceram impossíveis de alcançar, por conta desse enorme número de questionamentos me coloquei em situações de muita descrença e infelicidade, mas chegou um dia em que muita coisa se ajeitou, e eu passei a compreender que por mais que eu seja a principal responsável pela minha história, eu não posso controlar o mundo ao meu redor, mas posso lutar bravamente pra saber lidar com a forma como as coisas me afetam e principalmente o quão bem eu uso as oportunidades que me são ofertadas, por que isso faz toda diferença.

Mas antes, tenho que dizer, se encontrar não é nada fácil, e pra isso é necessário perder-se, e nós na maioria do tempo não compreendemos isso, que a vida não tem um sentido linear, que a vida não é uma fábrica de realização de desejos, que as coisas não são fáceis e jamais serão, não aceitamos de bom grado que a vida é um desafio e por isso temos uma tendência horrível a sermos cruéis conosco, não nos perdoarmos pelos nossos erros e nos angustiarmos por conta das poucas pedras que encontramos no caminho sem percebermos que tudo nos ensina algo, que tudo nos torna mais fortes. Lembro que aos meus 11 anos de idade eu sempre dizia por aí que queria ser engenheira, o tempo passou e aos 15 eu encontrei aquela engenharia pra chamar de minha! Apostei todas as minhas esperanças de que teria um futuro promissor, e adivinhem? Levei uma baldada de água fria bem no meio nos meus sonhos, mesmo se eu passasse no vestibular minha família não teria condições de me apoiar financeiramente para que eu pudesse cursar. Então eu me inscrevi pra uma das opções de curso no campus da minha cidade e passei pra Letras Licenciatura em Língua Inglesa, o curso ao qual estou prestes a me formar e que por muito tempo fiz questão de demonstrar minha inconformação com o fato de não poder correr atrás dos meus sonhos... E aí que vem a melhor parte, todos esses anos com a vida "estagnada" aqui na minha cidade interiorana me deram uma lição de auto-conhecimento incrível, que eu jamais teria palavras suficientes pra agradecer...

Sabe o que a vida me ensinou com isso tudo? Que por mais que eu tirasse um 8, 9 ou 10 em matemática eu simplesmente não conseguiria seguir com um curso de engenharia, não por que não fosse capaz, mas por que se teve uma coisa que eu descobri posteriormente foi que eu necessito de processos criativos pra viver, necessito escrever textos, histórias, colocar todas essas minhas ideias malucas pra fora, comunicar, fazer inúmeras listas, ler livros de tirar o fôlego, estar em contato com pessoas que inspiram, dançar, cantar, registrar o mundo ao meu redor, e isso sempre esteve na minha essência, e sempre foi muito notável por todos ao meu redor, menos por mim mesma que sempre achei a palavra engenharia linda e nunca parei pra pesar como seriam os meus dias se tudo ocorresse conforme o planejado, o que diabos eu iria fazer numa engenharia com esse temperamento? Tem uma expressão que é perfeita pra esse tipo de situação: Porra nenhuma! Hoje tenho a total consciência de que viveria entediada no meio de um ambiente de trabalho que não me daria espontaneidade e direito a rir dos meus erros, vocês já viram a quantidade de estrago que faz um engenheiro quando erra um cálculo? Deus me dibre! E dibrou mesmo ♥

A principal coisa que me fez enxergar a minha situação com a relação ao futuro de uma forma melhor foi o conselho que uma amiga me deu quando eu estava no meio do meu segundo caos emocional (Agnes linda maravilhosa e melhor pessoa ever!) em meados de 2014, conselho este que faço questão de deixar pra você leitor: "Ninguém nunca sabe direito o que fazer aos 20 anos de idade, mas independente disso muitos chegaram lá e não vai ser diferente contigo", e não é que é verdade? Eu ainda continuo sem saber exatamente quem eu sou e o que exatamente eu deveria fazer pra chegar lá naquele lugarzinho ao sol, MAS eu aprendi a saber detectar o que eu não sou e os rumos que eu não quero que a minha vida tome e isso já é de grande importância... Sobre os rumos que a vida toma só tenho a dizer que tudo tende a se ajeitar de uma maneira ou de outra, se não pela aceitação e descobrimento de novas perspectivas mas pela luta para alcançar o objetivo inicial. Existem males que vem para o bem, para que aprendamos algumas lições ou para que sejamos exemplos para quem está passando pelo mesmo. Finalizo dizendo que existem forças invisíveis que nos conhecem melhor do que nós mesmos e que misturam um pouquinho a nossa vida pra que possamos mais a frente trilhar os caminhos certos, e por mais louca que a vida seja, por mais insustentáveis que alguns se tornem, no final tudo vai ficar bem, basta que a gente confie e lute pra que isso aconteça.

Beijos da Mana

Pin It
0

Nenhum comentário:

Postar um comentário